sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Congresso Internacional de Promoção da Leitura

A Casa da Leitura, um projecto da responsabilidade da Fundação Gulbenkian, organizou recentemente, nos dias 22 e 23 de Janeiro, o Congresso Internacional de Promoção da Leitura. Foram dois dias de debate sobre as políticas, as estratégias e os métodos para a formação de “leitores competentes” que possam ler o mundo.
Nos quatro painéis – Literatura para a Infância e Formação de Leitores, Estratégias de Leitura e Compreensão Leitora, Projectos de Promoção da Leitura e A Leitura em Debate -, conferencistas e oradores, nacionais e estrangeiros, falaram sobre leitura, literatura, leitores, mediadores de leitura, bibliotecas, contadores de histórias, …
António Nóvoa, António Prole, José Barata-Moura, Eduardo Marçal Grilo, Teresa Colomer, Pedro Cerrillo, Fernando Savater, Pep Duran, Galeno Amorim, Michel Fayol, Peter Hunt, Lawrence Sipe, falaram e certamente encantaram mas, mais do que isso, alertaram, questionaram, provocaram, partilharam receios e preocupações, sucessos e insucessos.

Não resisto a deixar-vos aqui algumas reflexões sobre Leitura e Leitura Literária que retirei dos documentos que foram entregues e que, diga-se, estão à vossa disposição.

“As crianças tornam-se leitores ao colo dos pais.” – Emilie Buchwald

“Quando olho para trás, fico novamente impressionada com o poder vital da literatura. Se eu hoje fosse uma jovem a tentar encontrar-me no mundo, fazia-o novamente através da leitura, tal como fiz quando eu era jovem.“ – Maya Angelou

“Sonhei algumas vezes que, quando o Dia do Juízo amanhecer e os grandes conquistadores, juristas e estadistas vierem receber as suas recompensas, o Todo-Poderoso se voltará para S. Pedro e dirá, quando nos vir aproximar com os livros sob os braços “Olhai, estes não precisam de recompensa. Nada temos para lhes dar. Eles amaram a leitura.” – Virginia Woolf

E agora deixo-vos com Fernando Savater.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Lord Byron

Lord Byron (1788 – 1824)

A 22 de Janeiro, nasce George Gordon Byron, aquele que viria a ser um dos mais notáveis poetas ingleses e uma das figuras mais influentes do Romantismo.
Durante a sua passagem por Portugal, deixou-se encantar pela Vila de Sintra cuja beleza é exaltada em várias passagens da sua obra.

Eis algumas imagens que explicam o encantamento de Byron (e também o nosso) por Sintra.
[1] http://www.flickr.com/photos/32224743@N07/sets/72157608766782722/
[1]
http://www.flickr.com/photos/32224743@N07/sets/72157608770447953/

E foi este fascínio que, há tempos atrás, nos levou, a mim e à Margarida Toscano, a fazer este trabalho no âmbito da formação “A Biblioteca Escolar e a web 2.0”.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Brincar com a lua

Vejam, porque é fantástico! Aliás, como seria de esperar do João Camacho que, à beleza das imagens, juntou um som maravilhoso!
.
video

domingo, 11 de janeiro de 2009

Quand on n'a que l'amour

Sem razão especial, mas são palavras que quero recordar convosco.



"Alors, sans avoir rien
Que la force d'aimer
Nous aurons dans nos mains, ami
Le monde entier."

Jacques Brel

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Concurso Inês de Castro

O Concurso Inês de Castro é uma iniciativa conjunta do Plano Nacional de Leitura e da Fundação Inês de Castro e destina-se a premiar sítios /blogues concebidos e elaborados por alunos dos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário.
As escolas podem apresentar a concurso sítios/blogues criados por um ou mais alunos, sendo necessário o acompanhamento de, pelo menos, um professor.
O tema central dos trabalhos a apresentar a concurso é O Romance de D. Pedro e D. Inês de Castro.

Para conhecer o regulamento deste concurso, consulte:

http://www.min-edu.pt/np3/2616.html

Linda Inês

Razões políticas levam o rei D Afonso IV a ordenar a execução de Inês de Castro, amante do seu filho D. Pedro. A 7 de Janeiro de 1355, três elementos da nobreza, Álvaro Gonçalves, Diogo Lopes Pacheco e Pero Coelho, aproveitando a ausência de D. Pedro numa caçada, dirigem-se ao Paço de Santa Clara, em Coimbra, onde a bela Inês se encontra “posta em sossego” e esfaqueiam-na até à morte.
Após a morte de Inês, D. Pedro mandou perseguir os assassinos de D. Inês, que foram apanhados e executados. Mais tarde, D. Pedro mandou construir dois túmulos, um para ele e outro para a sua amada , que se localizam no Mosteiro de Alcobaça.
Camões imortaliza, n'Os Lusíadas, os amores de Inês e D. Pedro, na estrofe CXX do Canto III:

Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruto,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a Fortuna não deixa durar muito,
Nos saüdosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuto,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.
Do teu Príncipe ali te respondiam
As lembranças que na alma lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus fermosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que mentiam,
De dia, em pensamentos que voavam;
E quanto, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Bicentenário do nascimento de Louis Braille

Em 2009, celebra-se o Bicentenário do Nascimento de Louis Braille, cidadão francês nascido em 4 de Janeiro de 1809, inventor de um método de leitura e escrita para cegos que viria a tomar o seu nome. Este método, que se foi adaptando à generalidade das línguas e grafias, permitiu aos deficientes visuais aceder à escolarização normal, à informação e a outros bens culturais, contribuindo de forma decisiva para a sua integração social.
Dado o significado desta efeméride, celebrada em todo o mundo, a BNP, em articulação com outras entidades, elaborou um programa de comemorações que decorrerão ao longo do ano, com a colaboração de diversas personalidades e instituições, destacando-se: Casa da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra, Gabinete de Referência Cultural - Pólo Interactivo de Recursos Especiais (Direcção Municipal de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa), Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) e Direcção Regional de Educação de Lisboa.

A sessão solene de abertura das Comemorações terá lugar na Biblioteca Nacional de Portugal, no dia 5 de Janeiro de 2009, pelas 10h00, sendo presidida pela Secretária de Estado da Cultura. Nesta cerimónia, o Professor Doutor Boaventura de Sousa Santos dará uma Conferência sobre Louis Braille e a sua obra.

Nesta data, serão inauguradas as novas instalações da Área de Leitura para Deficientes Visuais (ALDV) da BNP. Este serviço passará a dispor de melhores condições para acolher o público, com uma nova sala de leitura, e os seus serviços técnicos. Todas as áreas de trabalho interno serão integradas num espaço exclusivamente dedicado aos deficientes visuais, incluindo o depósito das colecções, bem como com uma logística mais adequada para os trabalhos de digitalização e impressão Braille, assim como para as actividades de leitura e gravação visando a preparação de livros sonoros.